sexta-feira , 15 de dezembro de 2017
RADIO
ONLINE
Porta Voz Voz FM
MENU

Novidades

Economia

set 19, 2017

JBS cai quase 4% e perde R$ 955 milhões em valor de mercado em um dia

 A     JBS perdeu quase R$ 1 bilhão de valor de mercado nesta segunda-feira (18), após as ações da companhia caírem quase 4% na bolsa. Segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica, o valor de mercado da JBS encolheu para R$ 23,194 bilhões no fechamento do pregão, ante R$ 24,149 bilhões no encerramento da sessão da última sexta-feira (15).

JBS ON recuou 3,95%, a R$ 8,50 o papel, após o conselho de administração da maior processadora de carne do mundo escolher José Batista Sobrinho como presidente-executivo, no lugar do seu filho Wesley, preso em investigação de insider trading (uso indevido de informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro), e em meio a disputa travada entre o BNDES e a família Batista.

JBS perde R$ 955 milhões em valor de mercado em um dia (Foto: Arte/G1)JBS perde R$ 955 milhões em valor de mercado em um dia (Foto: Arte/G1)

JBS perde R$ 955 milhões em valor de mercado em um dia (Foto: Arte/G1)

O tombo dessa segunda interrompeu uma trajetória de valorização dos papéis da empresa. No acumulado na primeira quinzena do mês, o valor de mercado da JBS aumentou em R$ 491 milhões.

No acumulado no ano, a JBS encolheu até o fechamento desta segunda R$ 7,8 bilhões em valor de mercado, segundo a Economatica.

A mínima histórica foi registrada na sequência das delações dos donos da JBS envolvendo o presidente Michel Temer. No dia 22 de maio, o valor de mercado da companhia encolheu para R$ 16,317 bilhões. Já a máxima histórica foi registrada em 11 de setembro de 2015, quando a soma das ações da JBS atingiu R$ 49,66 bilhões em valor de mercado.

Bovespa fechou em alta de 0,31% nesta segunda, a 75.990 pontos, renovando sua máxima histórica de fechamento.

JBS enfrenta queda no mercado de ações após anúncio de nova presidência

JBS enfrenta queda no mercado de ações após anúncio de nova presidência

Mudança na presidência

A troca do presidente da JBS ganhou caráter de urgência após a prisão de Wesley Batista na última quarta-feira pela Polícia Federal. Até então, ele estava à frente da JBS, que é a maior empresa do setor de carnes do mundo.

A troca na presidência da JBS, segundo analistas do BTG Pactual, reitera a posição de controle da família e atrasa a aguardada transição para uma gestão profissional, destaca a Reuters.

A troca de presidente ocorre em um momento em que a JBS está executando um plano de venda de ativos de R$ 6 bilhões. A companhia também está em negociação com bancos credores para alongar sua dívida.

Nomeação de patriarca para presidir grupo JBS não agrada presidente do BNDES

Nomeação de patriarca para presidir grupo JBS não agrada presidente do BNDES

Disputa entre família Batista e BNDES

Desde que os irmãos Wesley e Joesley Batista confessaram sua participação em esquemas de corrupção em seus depoimentos no acordo de delação premiada, o BNDES tenta afastá-los do comando da JBS.

O BNDES é o segundo maior acionista da JBS, com participação de 21,3% no capital total da empresa por meio do seu braço de participações, o BNDESPar. A FB Participações, empresa que reúne os negócios da família Batista, detém 42% da empresa.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, disse nesta segunda que continuará a defender a saída da família Batista do comando da JBS.

“O banco permanecerá firme como uma rocha na sua posição como sócio da empresa influindo tudo que for possível para consertar a péssima governança da companhia”, afirmou à Reuters. “Nem nos nossos maiores desvarios nos passa pela cabeça desistir da nossa posição de trocar o comando da empresa”, completou.

O banco defende ampla reformulação da diretoria executiva e do conselho de administração e cobra “governança impecável” da JBS.

“Estamos preocupados com os investimentos, empregos e as repercussões negativas no mercado pecuário. O que nós queremos na JBS é a boa governança, assim como exigimos de todas as empresas em que o BNDES tem participação acionária. Essa é a condição básica para receber apoio financeiro do Banco. A JBS está descumprindo uma obrigação nessa relação, que é ter uma governança impecável”, disse em nota o presidente do BNDES.

A JBS informou nesta segunda, em comunicado, que “o momento atual é de equilíbrio, de união e de pensar no melhor interesse da empresa e de seus acionistas, tendo assim agido o conselho de administração, em estrita consonância com a lei e o estatuto social da companhia”.

fonte;  GLOBO noticias

COMPARTILHAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga a Rádio Porta Voz

Siga a Rádio Voz FM